Deseja selecionar mais exames?
SIM NÃO

ATIVIDADE PLASMATICA DA RENINA, SANGUE

Informações

renina é secretada pelas células justaglomerulares adjacentes às arteriolas renais aferentes e converte o angiotensionogênio em angiotensina I. A angiotensina I é, por sua vez, convertida em angiotensina II, um peptídeo biologicamente ativo que estimula a secreção adrenocortical de aldosterona e tem uma atividade vasopressora direta. O interesse clínico em medir a renina plasmática concentra-se principalmente nos pacientes com quadro de excesso de aldosterona. Existem duas formas de hiperaldosteronismo: primário e secundário. No hiperaldosteronismo primário, o excesso de aldosterona é produzido autonomamente por um adenoma ou hiperplasia adrenal, no secundário a aldosterona e produzida como uma resposta fisiológica em algumas doenças, tais como, insuficiência cardíaca, cirrose, hipertensão renovascular, síndrome de Bartter, medicação diurética e quadros de vômitos protraidos. Interpretação da renina é dificil devido a não especificidade dos ensaios indiretos, inúmeras variáveis pré-analíticas afetam a produção de renina (ingestão de sódio, postura medicamentos), além da variação circadiana na produção de renina (máxima na manhã, mínima no final da tarde).

Preparo

Jejum desejável de 4 horas.

Repouso de 5 a 15 minutos sentado ou conforme orientação médica.

- Medicamentos: a critério médico, devem ser suspensos, pelo menos duas semanas antes da realização do exame os anti-inflamatórios não-esteróides, estrógenos e anti-hipertensivos (beta bloqueadores, inibidores da enzima de conversão, agentes bloqueadores da ação da angiotensina II, diuréticos tiazídicos, poupadores de potássio e de alça, bloqueadores do canal de cálcio. A spironolactona deve ser suspensa 6 semanas antes da coleta.


Biolabor 2017 - Todos os direitos reservados