Deseja selecionar mais exames?
SIM NÃO

ACIDO TRICLOROACETICO

Informações

Da linha de clorados, o Brasil consome basicamente tricloroetileno, cloreto de metileno e percloroetileno, em aplicações diversas, da extração de princípios ativos de antibióticos, intermediário químico, à lavagem a seco de tecidos, passando pelo desengraxamento de superfícies metálicas e plásticas.
Em decorrência do uso industrial, tanto o tricloretileno e o percloretileno encontram-se amplamente distribuídos nos diferentes compartimentos do meio ambiente, e são detectados em água de chuva, águas superficiais e subterrâneas e alimentos, possíveis fontes de exposição para a população geral.
As principais vias de introdução na exposição ocupacional são a pulmonar e a dérmica. Após sua rápida absorção, esses toxicantes são distribuídos particularmente para o fígado, rim, sistemas cardiovascular e nervoso central e tecido adiposo.
Tricloretano, tricloretileno, percloretileno apresentam o ácido tricloracético (TCA) como produto de biotransformação comum, o qual pode ser utilizado como indicador biológico de dose interna na exposição a estes compostos.

Preparo


- Urina recente.

Informar se é exposto ocupacionalmente.
- Colher urina após retenção urinária de 4 horas. Fazer higiene da genitália com água e sabão, secar, desprezar o 1º jato de urina, coletar o jato médio em frasco próprio.
- Recomenda-se coletar material no início da última jornada de trabalho da semana.

- O consumo de álcool pode reduzir a excreção urinária destes produtos devido à inibição da biotransformação.



Biolabor 2017 - Todos os direitos reservados